fbpx

Drone, VANT ou RPA? Qual o termo correto?

A nomenclatura dos drones é um tema sempre polêmico, pois tanto no Brasil como no exterior existe a nomenclatura popular e a técnica, sendo que as duas diferem entre si.

Sendo assim, existem os defensores dos termos técnicos e existem aqueles que defendem o uso dos termos mais populares. Pessoalmente, acredito que a comunicação deve buscar ser acessível ao público à que ela se destina, de forma que em certas situações prefiro utilizar os termos técnicos e em outras me rendo aos termos populares, buscando adequar o texto ao meu leitor. 

Em todo o mundo a palavra mais utilizada para todos os tipos de veículos autônomos é DRONE, ou seja, é o nome utilizado pelas pessoas e pela mídia para se referir a veículos parcialmente ou totalmente autônomos, sejam eles voadores ou não. A propósito, a tradução literal da palavra inglesa “drone” para o português é zangão. Isso mesmo! O macho da abelha.

As origens históricas do uso deste termo para designar veículos autônomos gera grande discórdia na comunidade e eu deixarei esta discussão para uma postagem futura específica sobre este tema. Sendo assim, retornemos à questão da nomenclatura adotada atualmente.

Em língua inglesa, para os drones voadores um termo popular muito utilizado é UAV – (Unmanned Aerial Vehicle), que significa Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT). E este é o motivo pelo qual, no Brasil, muitas pessoas utilizam o termo VANT, principalmente quando se referem aos drones de Asa Fixa, aqueles que se parecem com aeromodelos do tipo avião tradicional ou asas voadoras.

Drone e VANT são os termos técnicos corretos? Não! Pois existe a nomenclatura correta que devemos adotar no meio profissional e junto às autoridades aeronáuticas etc., mas são os termos mais reconhecidos pela população e, pessoalmente, não vejo problema em usá-los se for para facilitar o entendimento das pessoas.

Quer ver um exemplo? Todo mundo sabe que o Pau Brasil é uma árvore. Mas se eu usar o termo científico correto, o nome da espécie: Paubrasilia echinata ou o nome um pouco mais antigo Caesalpinia echinata só os profissionais da área saberão do que se trata.

E este exemplo é excelente, pois quando eu era estudante de Eng. Florestal, aprendi que o nome correto do pau brasil era Caesalpinia echinata. E este foi o nome correto até 2016, quando se decidiu pela mudança do nome da espécie para Paubrasilia echinata. O nome comum continua o mesmo, é claro, pois é o nome utilizado pela população e gravado na história.

No caso dos drones recentemente aconteceu a mesma coisa. A OACI (Organização da Aviação Civil Internacional) alterou faz pouco tempo a nomenclatura internacional referente às aeronaves remotamente pilotadas e estas alterações foram incluídas nas normas brasileiras, como pode ser visto na Instrução do Comando da Aeronáutica, ICA 100-40 “Aeronaves não tripuladas e o Acesso ao Espaço Aéreo Brasileiro” atualizada e publicada no BCA (Boletim do Comando da Aeronáutica) nº 002, de 3 de janeiro 2019.

A nomenclatura ou terminologia aeronáutica a nível mundial é determinada pela ICAO (International Civil Aviation Organization), que no Brasil chamamos de  OACI (Organização da Aviação Civil Internacional), que é uma agência especializada das Nações Unidas responsável pela promoção do desenvolvimento seguro e ordenado da aviação civil mundial, administrando as normas para a aviação civil internacional, e dela fazem parte 191 países, incluindo o Brasil. A organização foi fundada em 1944 e o Brasil é um de seus membros fundadores, de forma que aqui no Brasil, nossas normas aeronáuticas e a nomenclatura aeronáutica utilizada seguem as normas e recomendações da OACI.

Desta forma, a nomenclatura técnica que adotamos e adotaremos para os drones aqui no Brasil também seguirá as recomendações e nomenclatura adotada pela OACI.

Qual o motivo disto? O motivo é que em termos de controle do espaço aéreo, navegação aérea etc., não é interessante que ocorram mal-entendidos, você não concorda? Imagine a conversa entre dois pilotos ou entre um piloto e uma torre de controle se eles não tiverem certeza absoluta de que estão usando os mesmos termos técnicos? Catastrófico, né?

De forma que o melhor para todos os países é que na aviação civil se utilizem sempre os mesmos termos técnicos em todos os países, sendo o inglês a língua aeronáutica oficial desde 1951, por determinação também da ICAO.

Então, seguindo a nomenclatura atualizada da OACI, agora temos (abril de 2019):

Em inglês:

UAUnmanned Aircraft;

UASUnmanned Aircraft Systems;

SUA – Small Unmanned Aircraft;

SUASSmall Unmanned Aircraft Systems;

RPARemotely Piloted Aircraft;

RPASRemotely Piloted Aircraft Systems;

Em português os termos oficiais atualizados são:

UA – Aeronave Não Tripulada;

UAS – Sistema de Aeronave Não Tripulada;

RPA – Aeronave Remotamente Pilotada. Subcategoria de aeronaves não tripuladas, pilotada a partir de uma estação de pilotagem remota e utilizada para qualquer outro fim que não seja o recreativo e que seja capaz de interagir com o Controle de Tráfego Aéreo e outras aeronaves em tempo real;

RPAS – Sistema de Aeronave Remotamente Pilotada. Subconjunto do Sistema de Aeronave Não Tripulada, capaz de interagir com o Sistema de Controle de Tráfego Aéreo e outras aeronaves em tempo real, composto pela aeronave remotamente pilotada (RPA), sua(s) estação(ões) de pilotagem remota, o enlace de pilotagem e qualquer outro componente associado à sua operação.;

OBS: Antes da última atualização a nomenclatura adotada no Brasil era a seguinte: Se o uso do drone fosse recreativo ele se configuraria um Aeromodelo, e deveriam ser seguidas as normas para aeromodelos; se o uso não fosse recreativo ele deveria ser tratado com uma RPA.

CONCLUSÃO

O mercado profissional tem aceito o termo “RPA” para os Multirrotores e Asas Fixas de uso profissional, e também “Drone” para os Multirrotores e para os Asas Fixas, o termo mais adotado no mercado ainda é “VANT“, embora os órgãos de aviação não utilizem mais este termo. 

Espero que tenha ajudado a esclarecer a situação e a terminologia. Caso você encontre incorreções no texto ou nas informações, por favor, me avise!

Se tiver críticas ou elogios, ou simplesmente se tiver algum comentário a fazer, por favor, compartilhe abaixo! Irei responder sempre!

Para saber mais sobre isso:

Comentários do Coronel Jorge Vargas do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) sobre a Instrução do Comando da Aeronáutica – ICA 100-40. https://www.youtube.com/watch?v=BED7jqyC99s

Espero ter te ajudado com estas informações.

Não deixe de se inscrever em meu canal no YouTube e me seguir nas redes sociais.

Para entrar em contato comigo use o instagram @ProfRafaelCalderon

Grande abraço!

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.