fbpx

Como os Drones se inserem como ferramenta para o Agronegócio?

Com o uso de drones no monitoramento da lavoura é possível imagear (fotografar ou filmar) e ter uma análise da situação do cultivo em poucas horas ou mesmo minutos. Isso permite que se identifique problemas e se faça a correção necessária em tempo recorde.

Problemas com a irrigação, fertilização, doenças e pragas, dentre outros, podem ser detectados e corrigidos rapidamente e de forma localizada, minimizando os custos e as perdas. É como ter um satélite de monitoramento agrícola portátil, o que amplia em muito as possibilidades da Agricultura de Precisão.

Embora os drones portadores de câmeras multiespectrais, capazes de produzir imagens para a geração de mapas NDVI (Normalized Difference Vegetation Index) sejam o equipamento mais indicado para o monitoramento de lavouras, mesmo drones com câmeras comuns, RGB, como os da linha Phantom, têm sido largamente utilizados. Isso se deve ao rápido crescimento do número de empresas que se dedicam a desenvolver soluções para o uso de drones no Agronegócio.

Estas empresas desenvolveram e continuam a desenvolver métodos de análise de lavouras a partir de imagens RGB.

Empresas como dronedeploy.com, precisionhawk.com, e os brasileiros: sensix.com.br e mappa.ag fornecem diversas opções de tratamento de imagens de drones voltados para o Agro, tanto para drones com câmeras multiespectrais, como para câmeras RGB, que equipam os drones mais comuns, como os das linhas Phantom e Mavic, da DJI.

As ferramentas online mais comuns geram mapas de homogeneidade do cultivo, contagem de plantas, identificação de plantas daninhas, dentre outras, e em geral permitem o download de mapas de zonas de manejo para aplicação à taxa variável de agroquímicos.

Os drones e as tecnologias complementares estão se desenvolvendo de tal forma que em poucos anos, provavelmente, se tornarão ferramentas essenciais para a Agricultura de Precisão.

No caso dos Modelos Digitais de Terreno (MDT) gerados a partir do imageamento feito com drones, eles têm sido utilizados para trabalhos de topografia de alta resolução.

As imagens RGB de alta resolução, captadas por drones profissionais, após seu processamento permitem a obtenção de modelos topográficos digitais muito realistas, que por sua vez têm diversas aplicações, como em projetos de curvas de nível e drenagem, altamente precisos quando se utilizam pontos de apoio em solo ou drones com sistema GNSS precisos e de alta acurácia.

Deve-se entender que todo o sistema está baseado em três pilares: a aeronave (Drone/VANT), a câmera (chamada também de sensor) que fará a captação das imagens, muitas vezes a parte mais cara do sistema e, por último, a plataforma de análise das imagens.

Atualmente (2019) posso dizer que são duas as opções mais comuns no mercado:

A primeira, que exige menor investimento, é o uso de um drone DJI Phantom 4 (Advanced ou Pro), que vem de fábrica com uma boa câmera para mapeamento RGB, sendo as imagens coletadas pelo drone enviadas para um site na internet que fará o processamento destas imagens de forma automatizada. Esta foi inclusive a solução apresentada pela Case IH na Agrishow 2018 (veja aqui).

A segunda, de maior investimento, utilizada por aqueles interessados em mapeamento de áreas maiores, de forma mais rápida e sem a necessidade de pousos constantes para a troca de bateria é a utilização de um drone de Asa Fixa, que são aqueles parecidos com aeromodelos ou asas voadoras.

De maneira geral os drones de Asa Fixa apresentam maior facilidade para a troca de sensores (as câmeras), de forma que você pode ter apenas um Asa Fixa e diversas câmeras para utilizar nele, dependendo da situação e necessidade.

As câmeras por si só já dariam um bom livro, pois existem diversos modelos e especificações, com preços que variam de R$2.000,00 a mais de R$100.000,00. Contudo, pode-se comprar no Brasil excelentes câmeras multiespectrais por menos de R$50.000,00.

Quanto ao processamento das imagens captadas pelo drone/VANT, em geral pode-se investir em um computador de mesa ou notebook, destes que possuem placas gráficas, como as utilizadas para jogos de computador, ou fazer o processamento em empresas especializadas, normalmente enviando as imagens pela internet.

A vantagem principal da segunda opção é o baixo custo do serviço que dispensa a compra de um computador relativamente caro. E uma das desvantagens é o pouco controle que você terá sobre o processo e os resultados finais.

Espero que a informação seja útil para você.

Grande abraço!

Espero ter te ajudado com estas informações.

Não deixe de se inscrever em meu canal no YouTube e me seguir nas redes sociais.

Para entrar em contato comigo use o instagram @ProfRafaelCalderon

Grande abraço!

———————————————————————
Para conhecer meus treinamentos online clique aqui!

Para baixar meus ebooks gratuitos em PDF você pode utilizar os links abaixo:

Mapeamento com DRONES: guia passo a passo” (47 páginas).

Drones para profissionais: Agricultura, Meio Ambiente, Florestas” (34 páginas).

10 dicas estratégicas para você que quer trabalhar com drones no Agronegócio” (46 páginas).

Tags: | | | | | | | | | | | | | |

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.